"Invadindo a Invasão Cultural": Víctor Jara e o uso da guitarra elétrica na Nueva Canción Chilena

Metadatas

Date

2017

type
Language
Identifiers
License

info:eu-repo/semantics/OpenAccess



Cite this document

Letícia Porto Ribeiro et al., « "Invadindo a Invasão Cultural": Víctor Jara e o uso da guitarra elétrica na Nueva Canción Chilena », Hyper Article en Ligne - Sciences de l'Homme et de la Société, ID : 10670/1.yrapfr


Metrics


Share / Export

Abstract Pt

"El derecho de vivir en paz", lançada em 1971, no álbum de mesmo nome, é uma das canções mais famosas de Víctor Jara (1932-1973). Trata-se de uma celebração ao líder Ho Chi Minh e um protesto contra a interferência dos Estados Unidos no Vietnã. É também uma das poucas de suas canções que utiliza guitarra elétrica. Jara, assim como o que movimento musical da Nueva Canción Chilena, iniciado por Violeta Parra, utilizava instrumentos considerados "tradicionais" do Chile, como o violão, e instrumentos indígenas ou rurais latino-americanos: charanga, flautas, pandeiro, maracas e bombo. Este trabalho visa explicar o contexto e os motivos pelos quais Jara abriu uma exceção para o uso de guitarra nessa canção, dentro de um contexto musical que buscava incorporar somente elementos "folclóricos" ou concernentes à tradição popular "latino-americana". Franco Fabbri afirma que ainda hoje no gênero chamado "canção política" o uso de instrumentos elétricos é um tabu. No artigo "A Theory of Musical Genres: Two Applications" (1981), Fabbri explica que cada gênero musical da canção - como canção política, canção de autor, canção infantil, por exemplo-obedece a uma série de regras que são socialmente aceitas. O autor procede a uma classificação dos gêneros que podem ser inseridos dentro da classificação geral de "canção"-essas regras incluem regras sociais e ideológicas, econômicas, políticas, semió-ticas, técnicas e formais. A canção política, afirma Fabbri (1981, p. 68) deve falar do "mundo real", na atualidade ou em um dado momento da história, tendo, com frequência, função referencial e emocional.

From the same authors

On the same subjects

Similar documents